• Judivan Gomes

Lira, Pacheco e Fux se reúnem com Bolsonaro, hoje, para discutir medidas de enfrentamento à COVID-19


O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), vai reunir-se nesta quarta-feira (24) com os presidentes da República, Jair Bolsonaro; do Senado, Rodrigo Pacheco; e do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux; para discutir medidas de enfrentamento à Covid-19. Lira também convocou reunião de líderes para propor medidas administrativas e políticas para acompanhamento da pandemia e cobrou um debate mais imparcial sobre a crise. “A Presidência desta Casa tem cumprido seu papel independentemente das posições políticas e ideológicas, que não devem ser o norte para gestão desta Casa”, afirmou. “Daremos um rito diferente, nestas próximas duas semanas, para oportunizar um debate mais coerente, mais frio, mais imparcial, mais resolutivo, com menos ideologia, para esta crise que o povo brasileiro passa”, disse Lira. Debate As medidas de combate ao novo coronavírus mobilizaram os debates entre deputados de governo e oposição no início da sessão do Plenário desta terça-feira (23). Apesar de ambos os lados pedirem união nos esforços contra a pandemia, também houve troca de acusações sobre a responsabilidade dos problemas no atendimento à saúde da população. O líder do governo, deputado Ricardo Barros (PP-PR), espera que haja acordo na reunião desta quarta-feira entre o presidente Jair Bolsonaro e os presidentes da Câmara, do Senado e do STF. “O Brasil precisa transmitir à população que há uma direção no combate à pandemia. Temos um comando novo no Ministério da Saúde”, apontou. Ricardo Barros ressaltou que a nova cepa do coronavírus é muito grave e “requer medidas muito duras”. No entanto, ele lamentou as divergências entre governadores e prefeitos sobre as medidas de isolamento social. Vacinas O deputado Coronel Tadeu (PSL-SP) parabenizou o presidente Bolsonaro pelo combate à pandemia. “O governo já firmou acordos para compra de 562 milhões de doses de vacina”, comemorou. Coronel Tadeu afirmou que não haveria tantos mortos por Covid-19, hoje, se o Brasil tivesse construído hospitais em vez de gastar dinheiro em estádios superfaturados da Copa de 2014. Ele também acusou os governadores de não repassarem o dinheiro do governo federal para saúde. Já o deputado Vicentinho (PT-SP) acusou o governo Bolsonaro de boicotar as vacinas. “É preciso que a sociedade toda se junte. O povo está sofrendo. Nas periferias, não há condição de se proteger do coronavírus ou de se alimentar”, lamentou. Ele também cobrou a validação de diplomas de médicos formados fora do Brasil. A deputada Soraya Manato (PSL-ES) afirmou que o Brasil tem dificuldade para comprar vacinas porque os países do primeiro mundo compraram todas as doses e se esqueceram dos países em desenvolvimento. “Os Estados Unidos comprou 1,3 bilhão de doses, o suficiente para vacinar três vezes a população daquele país”, lamentou. Economia A deputada Benedita da Silva (PT-RJ) anunciou mobilização de centrais sindicais e movimentos sociais nesta quarta-feira em defesa da vida da população. “Estamos defendendo vacinas para todos e auxílio emergencial de R$ 600 para os informais”, afirmou. “As pessoas morrem porque não tem UTI nem leito de hospital para atendê-las.” A deputada Tábata Amaral (PDT-SP) lamentou a demora na entrega do auxílio emergencial. Ela também considera o valor insuficiente para alimentar uma família. “Se o governo não entende a magnitude, o caos e a gravidade da situação que estamos vivendo, cabe ao Congresso sair desta letargia. Estamos no pior momento da pandemia.” O deputado Marcel Van Hattem (Novo-RS), por sua vez, relatou que várias cidades do Rio Grande do Sul tiveram protesto contra medidas de isolamento social e paralisação de atividades econômicas. “Precisamos garantir que, com segurança, as pessoas possam trabalhar”, apontou. Van Hattem acusou o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, de não dialogar com os empresários. Conduta de Bolsonaro O deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP) acusou o presidente Bolsonaro de incentivar aglomerações que facilitam a transmissão do vírus. “O Brasil virou o foco mundial da Covid-19 com a irresponsabilidade do governo, que não comprou vacina na hora certa.” Já o deputado Bibo Nunes (PSL-RS) afirmou que os deputados de esquerda faltam com o decoro ao chamar o presidente Bolsonaro de genocida. “No aniversário do presidente, centenas de pessoas foram voluntariamente cumprimentá-lo”, observou. Atendimento médico O deputado General Girão (PSL-RN) afirmou que a oposição precisa parar de brigar com o governo. “O mais importante é tratarmos preventivamente as pessoas, fortalecendo as imunidades. A classe política tinha que ficar calada e deixar que os médicos decidam”, propôs. A deputada Luiza Erundina (Psol-SP), no entanto, denunciou a morte de jovens por falta de atendimento médico. “Isso é um crime de omissão do governo e do Poder Legislativo, que não assume a obrigação. Em todas as graves crises, o Legislativo se centrou no enfrentamento dos problemas. Não dá mais para suportar tanta indiferença em relação ao nosso povo que está morrendo aos milhares de Covid-19 ou de fome.” Pauta prioritária O deputado Fábio Trad (PSD-MS) pediu que a pauta da Câmara seja voltada exclusivamente ao combate à pandemia. “Pode soar até cruel se continuarmos a discutir temas que estejam à margem do que o nosso povo está sofrendo”, comentou. “A reforma administrativa deveria ser suspensa, pois criminaliza o serviço público no momento que o Brasil mais precisa.”

Agência Câmara de Notícias

4 visualizações0 comentário