• Judivan Gomes

Deputado não abre mão de comando de sigla para Aguinaldo Ribeiro se houver fusão entre PSL, PP e PRB




O presidente estadual do Partido Social Liberal, deputado federal Julian Lemos, admitiu, nesta quinta-feira ( 26 ), a existência de conversas entre o PSL, o Progressistas ( PP ) e o Republicanos ( PRB) com a finalidade de estabelecer uma fusão entre essas legendas para a formação de um partido para dar maior sustentação política ao governo do presidente Jair Messias Bolsonaro ( em partido ). Ele, porém, adiantou que em caso dessa proposta vir a se materializar não vai abrir do comando da nova legenda para o também deputado federal Aguinaldo Ribeiro ( Progressistas ).


O parlamentar, inclusive, explicou porque não aceita ser liderado, politicamente, pelo progressistas. Segundo ele, apesar de estar há pouco tempo no exercício de um mandato, sempre teve um lado, sempre agiu de maneira ética e de forma coerente.


Aliás, Julian Lemos foi taxativo ao dizer que o deputado Aguinaldo Ribeiro não tente entrar em rota de colisão com ele. " Ele e nem ninguém ", frisou.


A possibilidade de uma fusão entre os partidos em tela foi divulgada no G1 desta quinta-feira. De acordo com a matéria, quem estaria a frente do processo é o senador licenciado Ciro Nogueira ( Progressistas ). Ciro é ministro da Casa Civil do Governo Federal. Ainda de acordo com o texto, a nova legenda ficaria com 126 deputados federais se todos resolvessem acompanhar a junção partidária.


Mesmo a iniciativa partindo do chamado Centrão, o G1 apurou que existe uma decisão entre eles de não aceitar a filiação de Bolsonaro para a sua reeleição. Julian contou que ainda não tem uma posição a favor ou contra uma fusão. Mas, declarou que não concorda com Bolsonaro em seu partido. " Ele é muito problemático ", concluiu

135 visualizações0 comentário