top of page
  • Foto do escritorJudivan Gomes

Cícero lança projeto “Tô de boa” e reforça atenção da PMJP no cuidado com alunos da rede municipal




A Prefeitura de João Pessoa, que já desenvolve uma pedagogia inovadora, com uso de tecnologia e projetos de esporte e cultura nas escolas, também se preocupa com a saúde mental dos alunos. E esse cuidado está sendo colocado em prática por meio do projeto “Tô de boa – tecendo saúde em rede”, que o prefeito Cícero Lucena lançou, nesta terça-feira (10), no auditório Centro Cultural Ariano Suassuna, do Tribunal de Contas do Estado (TCE), em Jaguaribe.

“Fazer a educação que nós desejamos de qualidade, com respeito, com atenção, tem que ser muito ampla em suas ações, desde o processo pedagógico, o processo cultural, o processo esportivo, artístico, mas também temos que cuidar da saúde mental das nossas crianças. E é por isso que estamos buscando parceiros para, juntos, ajudar essas nossas crianças a enfrentarem esse tipo de situação e, consequentemente, não atrapalhar o processo rico de aprendizado que a Rede Municipal oferece”, disse o prefeito.

O projeto “Tô de boa”, da Secretaria de Educação e Cultura (Sedec), vai atender crianças e adolescentes matriculados nas escolas da Rede Municipal, que estão passando por problemas psico-severos como depressão, ansiedade, entre outros. Serão atendidas as escolas que convivem nos espaços das seis redes de proteção que são: Rede Crer Ser; Rede pela Paz; Rede Amiga da Ilha do Bispo; Rede Roger/Varadouro; Rede Colmeia; e Rede Florescer.

A secretaria municipal de Educação e Cultura, América Castro, destacou o trabalho em parceria na construção do projeto e que 300 crianças já estão recebendo acompanhamento. “Com essa parceria, com as redes de proteção, com a Secretaria de Saúde, com a Secretaria Desenvolvimento Social, a gente tem caminhado e tem tido um avanço muito grande da melhoria de qualidade da vida dessa meninada. Não só da meninada, mas também da família das crianças”, afirmou a secretária.

Na prática, quando os especialistas das escolas identificarem algum aluno dentro desse perfil deverá encaminhá-lo para a equipe multiprofissional do projeto, que fica nas ONGs parceiras, como por exemplo ‘Aldeia SOS’ e Projeto da ‘Beira da Linha’, onde será dado início ao atendimento com uma profissional de psicologia e assistente social, fora da escola. A família também terá um acompanhamento.

“É muito importante para nós, crianças e adolescentes, termos acesso a políticas públicas como essa. E não adianta ter leis, não adianta ter artigos. Se esses artigos não são exercidos. Precisamos ser auxiliados em todas as áreas, para que isso aconteça de maneira rápida, por favor. Nós precisamos de auxílio”, disse a aluna da Escola Santa Ângela e que também é acolhia na Rede Crer Ser, Geane Beatriz Santiago.

O evento também contou com a participação de representantes de toda rede proteção parceira no projeto, da secretária de Desenvolvimento Social, Norma Gouveia, além do promotor de Justiça, Luis Nicomedes, e da conselheira tutelar Patrícia Falcão.

2 visualizações0 comentário

Comentarios


bottom of page