• Judivan Gomes

Bolsonaro reúne apoiadores e diz que faz tudo pelo povo

"Estão esticando a corda e faço qualquer coisa pelo meu povo. Qualquer coisa que está na Constituição, é o direito de ir e vir", disse


No momento em que o Brasil passa pelo pior momento da pandemia e por um pico de mortes causadas pela covid-19, o presidente Jair Bolsonaro (Sem partido) aproveitou seu aniversário para reagir às críticas sobre sua atuação no enfrentamento da doença. "Estão esticando a corda e faço qualquer coisa pelo meu povo. Qualquer coisa que está na Constituição, é o direito de ir e vir. Podem confiar na gente", afirmou a cerca de 100 apoiadores que se aglomeraram em frente ao Palácio da Alvorada para cumprimentá-lo pelos 66 anos completados neste domingo, 21. O Brasil já registra mais de 292 mil mortes e quase 12 milhões de casos confirmados de covid-19.


Mesmo diante do colapso no sistema de saúde e das filas de espera por leitos em diversos Estados do País, Bolsonaro mantém postura contrária a medidas de fechamento de atividade econômica determinadas por governadores. Durante a semana, o chefe do Executivo chegou a insinuar a possibilidade de decretar estado de sítio, mas depois negou que usaria a medida extrema, quando questionado pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux. Na quinta-feira, 18, Bolsonaro assinou Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) da Advocacia-Geral da União (AGU) apresentada ao Supremo para derrubar decretos estaduais de três governadores contendo medidas restritivas, como toque de recolher.

Publicidade powered by Rubicon Project

No Legislativo, menos de um mês da vitória dos candidatos governistas nas eleições internas, a parceria com o Centrão se alterou de um estado de "lua de mel" para cobranças públicas e ameaças veladas de abertura de impeachment e CPI para investigar o Planalto.

"Pode ter certeza de uma coisa: minha força vem de Deus e de vocês. Se alguém acha que algum dia abriremos mão da nossa liberdade estão enganados (sic)", declarou. O presidente chegou ao local acompanhado da primeira-dama, Michelle. Os dois usavam máscara, mas ele a retirou para falar com os apoiadores.


Aos presentes, Bolsonaro disse que contava com dois exércitos: o verde-oliva e a população. O presidente também declarou que as Forças Armadas devem atuar pela democracia e pela liberdade. "Vocês me deram um voto de confiança na eleição de 2018. Enquanto eu for presidente, só Deus me tira daqui. Eu estarei com vocês", garantiu. Em êxtase, apoiadores gritaram a favor da reeleição de Bolsonaro.

Diante da queda de sua popularidade devido ao ritmo lento da vacinação, Bolsonaro tomou atitude oposta à do ano passado. Há um ano, apenas dez dias depois de a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarar que a covid-19 havia se transformado em uma pandemia, Bolsonaro evitou comemorações públicas e reuniu apenas os filhos e as netas. Ele se limitou a gravar um vídeo com mensagem de esperança sobre o tratamento da doença. Na ocasião, a informação era a de que a covid-19 havia contaminado 904 pessoas e matado dez pessoas no Brasil.

A maioria das pessoas presentes neste domingo em frente à residência oficial estava vestida de verde e amarelo. Algumas portavam bandeiras do Brasil. Grande parte dos apoiadores não estava de máscara.

Bolsonaro e Michele chegaram ao ponto de encontro com máscara – ela com um vestido cáqui – e acenaram para os populares. Um alambrado de metal separava o presidente das pessoas. Do lado de dentro, havia um bolo com a foto de Bolsonaro em uma mesa com balões e enfeites nas cores verde e amarela.

Às 14h20, os apoiadores cantaram o tradicional "Parabéns a você". Muitas das pessoas gritavam "parabéns" e diziam seu Estado de origem.

Bolsonaro também defendeu as ações do governo na área econômica. Enfatizou em sua fala que o auxílio emergencial concedido no ano passado – e que voltará a ser pago a partir do mês que vem – para as pessoas que estão passando por necessidade "é o maior projeto social do mundo", mesmo com a redução expressiva dos valores, de R$ 600 para R$ 250, e do público que será beneficiado neste ano.


"O povo precisou e atendemos. O que o povo mais pede para mim agora é : 'quero trabalhar'", disse. Na sequência, os apoiadores entoaram em conjunto: "queremos trabalhar".

O presidente manteve o tom do pronunciamento e disse que o trabalho dignifica o homem e a mulher. "Ninguém quer viver de favor do Estado porque, quem vive de favor, abre mão de sua liberdade", afirmou. "Vamos vencer essa batalha. Podem ter a certeza de que estamos no lado do bem. Não queremos que o Brasil mergulhe no socialismo. Não trilharemos esse caminho", garantiu. Em resposta, populares começaram a gritar "mito", "a nossa bandeira jamais será vermelha" e um trecho do Hino da Independência: "Ou ficar a pátria livre ou morrer pelo Brasil".

Depois do discurso, Bolsonaro cortou o bolo e deu o primeiro pedaço a uma criança que estava do outro lado do alambrado. Um menino também pulou o cercado para abraçar o presidente. Michelle também falou rapidamente. Agradeceu os presentes e, em especial o "carinho com a vida do Jair e com a minha vida".

Michelle Bolsonaro, esposa do presidente brasileiro Jair Bolsonaro, acena após encontro com apoiadores que se manifestam para comemorar o aniversário do presidente no Palácio da Alvorada, em Brasília Foto: Adriano Machado / Reuters

O presidente ainda pegou uma criança que estava com a camisa do Palmeiras - mesmo time de Bolsonaro - e a colocou em seus ombros. Os presentes passaram, então, a rezar o Pai Nosso. Na sequência, pediram ao casal que se beijasse e, mais uma vez, Michelle e Bolsonaro tiram as máscaras para atender ao povo. Antes de sair do local, o presidente ainda colocou outra menina em seus ombros, tirou selfies, ouviu pedidos dos presentes e recebeu uma oração.

Mais cedo, em mais uma tentativa de ajustar o discurso contrário à vacinação que manteve durante todo o ano de 2020, Bolsonaro usou as redes sociais para exaltar a chegada das primeiras vacinas oriundas do Consórcio Covax Facility, da AstraZeneca, produzidas na Coreia do Sul, e a distribuição de novas doses de imunizantes produzidos pela Fiocruz e pelo Instituto Butantan.

No exterior, o Brasil gera preocupações. A nova cepa brasileira já foi identificada além da fronteira e é motivo de preocupação entre autoridades da região. Peru e Colômbia proibiram voos do Brasil. O Uruguai mandou mais doses de vacinas para a fronteira com o Rio Grande do Sul. Quem vai do Brasil para o Chile precisa ficar em quarentena. Os argentinos impuseram restrições à entrada de brasileiros e a Venezuela tem medo da nova variante surgida no País.

No sábado, 20, o governo brasileiro informou, por meio do Itamaraty, que começou tratativas com os Estados Unidos sobre eventual importação de doses de vacinas contra covid-19 no dia 13 de março. A movimentação do Brasil, no entanto, aconteceu depois de requisição semelhante feita por outros países e também após a Casa Branca ser pressionada pela comunidade internacional para compartilhar doses paradas.

No dia 11 de março, o jornal The New York Times revelou que países haviam requisitado o excedente de vacinas de Oxford/AstraZeneca que não estão em uso. Segundo o jornal, autoridades do governo Biden já discutiam a possibilidade de enviar doses ao Brasil, que é considerado o novo epicentro do coronavírus e um celeiro mundial de novas cepas, antes mesmo do pedido do governo brasileiro.

Neste domingo, 21, o Ministério da Saúde admitiu que o cumprimento dos prazos previstos no cronograma de entrega de vacinas depende dos laboratórios fabricantes. A informação do ministério foi divulgada após notícia do jornal O Globo, com base em informações da Agência Reuters, apontar um provável atraso na entrega de vacinas AstraZeneca/Oxford com produção pelo laboratório Serum, da Índia.

A nota do Ministério da Saúde ressalta que o contrato firmado com o laboratório Serum prevê a entrega de 2 milhões de doses da vacina AstraZeneca/Oxford importadas por mês, em abril, maio, junho e julho, totalizando 8 milhões ao fim de julho. A pasta, no entanto, admite que trabalha com a possibilidade de atraso pelo fornecedor, embora tenha dito que não havia sido informada pela fabricante na Índia a respeito do possível atraso na entrega das doses do Serum.

"É importante esclarecer que o cronograma de entregas de doses, enviado pelos laboratórios fabricantes para o Ministério, pode sofrer constantes alterações, de acordo com a produção dos insumos", disse


36 visualizações0 comentário